Skip to content

PORQUE O CÉREBRO CRIA PREOCUPAÇÃO

Por: Danielle Gurgel

Por mais estranho que pareça, no curto prazo, a preocupação faz com que seu cérebro se sinta um pouco melhor, pois, para ele, é como se você estivesse  fazendo algo sobre seus problemas. Estudos mostraram que preocupação acalma o sistema límbico (a parte que também é muito relacionada às emoções), e isso acontece porque  a atividade no córtex pré-frontal medial é aumentada enquanto que a atividade na amígdala é diminuída. Olhando de longe, isso pode parecer contraintuitivo, mas, mostrou que do ponto de vista neural, quando uma pessoa está sentindo ansiedade ou medo, fazer algo a respeito – até mesmo se preocupar – é melhor do que não fazer nada.

O cérebro da pessoa que é cronicamente preocupada produz ideias recorrentes. Ele fica maquinando cenários e soluções que possivelmente afastaria ou aproximaria a pessoa do suposto perigo. Por exemplo, é como se o fato de uma pessoa se preocupar em perder dinheiro, fosse inibir isso de acontecer. O simples ato de estar se preocupando, para o cérebro, é como se a pessoa estivesse fazendo algo à respeito do fato, é como se estivesse agindo, e, nosso sistema emocional adora que ajamos, afinal, as emoções existem para que o ser humano aja.

Contudo, a preocupação é uma resposta do cérebro para uma emoção que acontece antes: o medo, e, a sua prima, a ansiedade (que é o próprio medo na sua versão andrógina, pois, o medo tem alvo certo, a ansiedade não, ela é errática e inespecífica). O cérebro, então, preocupa-se (ocupa-se antecipadamente), como medida atenuante ao desconforto que está sentido causado pelo medo.

Mas é importante ter em mente uma coisa: o medo é útil. Precisamos dele para sobreviver como espécie, só que ele ativa redes neurais que foram diagramadas pela mãe natureza para fazer a pessoa lutar ou fugir — e isso é a coisa menos eficiente para situações que requerem o máximo do pensamento lógico, como o que acontece com os operadores de mercado, empreendedores e atividades que precisam de tomada de decisão rápida mas que precisam seguir planos preestabelecidos.

Cérebro – um equipamento que funciona por associação.

Para o cérebro todas as memórias estão associadas entre si. Os sinais que recebemos pelo nosso sistema sensorial, bem como tudo que pensamos e imaginamos ativam ideias (memórias). Só que uma ideia que foi ativada não evoca somente outra ideia, ela ativa inúmeras ideias, porém, a maior parte delas não vão aparecer registradas na consciência. Portanto, estamos falando de um ciclo interminável, onde todos os eventos tem nexo causal com tudo, fazendo com que novos comportamentos, pensamentos, emoções ocorram sem que saibamos conscientemente o porquê.

O medo ativado e retroalimentado pela preocupação pode resultar (na prática), em: reatividade ou paralisia. Ambos são dois comportamentos, que, seguramente, podem levar a prejuízos em qualquer área da vida, mas, no trading e nos negócios empresarias os efeitos podem ser sentidos muito rapidamente. Portanto, para ajustar a preocupação é necessário ajustar o que está atrelado à ela: que é o medo, e, para dissipar o medo é preciso romper com a realidade dele, modificar individualmente cada parte que compõe o cenário amedrontador.  

O mais importante é ter em mente que, do ponto de vista do cérebro, mudar é 100% factível. Ele tem uma arquitetura configurada para isso.  Igualmente importante saber que você pode assumir o controle do seu cérebro se assim decidir, e pode usar a neuroplasticidade a seu favor a hora que quiser, e, a chave para isso, é aprender (aos poucos), à pensar certo, ou melhor, pensar de modo que faça com que o seu cérebro atenda às suas necessidades e não o contrário.  

Assuma a posição do observador, assuma que você não é essa voz que fica falando dentro da sua cabeça. Você é aquele que ouve a voz na sua cabeça. Pense que você tem um cérebro para usar assim como tem um pé, você só tem que aprender como ele funciona, e como ele faz você fazer as coisas que você faz. Desenvolva a habilidade de pensar sobre o que está pensando.

preocupação-como-cerebro-cria

PORQUE O CÉREBRO CRIA PREOCUPAÇÃO Por: Danielle GurgelPor mais estranho que pareça, no curto prazo, a preocupação faz com que seu cérebro se sinta um pouco melhor, pois, para ele, é como se você estivesse  fazendo algo sobre seus problemas. Estudos mostraram que preocupação acalma o sistema límbico (a parte que também é muito relacionada às emoções), e isso acontece porque  a atividade no córtex pré-frontal medial é aumentada enquanto que a atividade na amígdala é diminuída. Olhando de longe, isso pode parecer contraintuitivo, mas, mostrou que do ponto de vista neural, quando uma pessoa está sentindo ansiedade ou medo, fazer

Send this to a friend