A NOVA PSICOLOGIA DO TRADING

Etimologicamente, a palavra emoção deriva da palavra EMOVERE que, por sua vez, deriva das palavras latinas ex + movére, que significam “mover para fora”.

As emoções são soluções criativas da natureza para fazer com que um ser vivo aja. Logo, emoção está relacionada com ação e com a capacidade de gerar comportamentos biologicamente vantajosos.  As emoções desencadeiam respostas fisiológicas automáticas, ou seja, o ser humano não controla (conscientemente), as modificações físicas que ocorrem pelos disparos de redes neurais ligadas aos circuitos emocionais. Porém o ser humano (quando treinado), é capaz de controlar os mecanismos capazes de colocar sua fisiologia em equilíbrio, como também é capaz de perturbá-la ainda mais (quando não treinado), uma vez que ele é um único ser vivo dotado da capacidade de pensar e imaginar.

A maior parte das emoções que temos não são percebidas conscientemente. Só dizemos que estamos sentindo algo, quando a sensação física é capaz de ser percebida por nossos processos conscientes — embora a cada instante tenhamos emoções (saibamos ou não disso). Já é bem estabelecido pela ciência que, as emoções subjacentes à nossa consciência são cruciais para que tomemos decisões e ajamos. 

A NOVA PSICOLOGIA RADICAL DO TRADING 1

Então, a emoção ocorre no corpo, não na mente. Ela é sentida fisicamente, e quando a parte  consciente do cérebro percebe essas modificações  físicas ele as  interpreta, analisa e batiza de sentimentos.

Emoção é parte integrante do processo de raciocínio, funciona como um auxiliar nesse processo em vez de perturbá-lo, como se costumava achar há algum tempo. Se os circuitos emocionais são desconectados dos circuitos da razão, um ser humano é incapaz de decidir, mesmo que a decisão seja sobre o evento mais simples possível, como escolher algo para comprar para o jantar. 

O emblemático neurocientista Dr. Antônio Damásio é enfático em afirmar: “A emoção faz com que os seres vivos consigam agir de maneira inteligente sem precisar pensar com inteligência”. Do ponto de vista evolutivo, o sistema de raciocínio evoluiu como uma extensão do sistema emocional automático, com a emoção atuando diretamente no processo de raciocínio.

Seja para um trader ou para outros profissionais, é razoável que, a partir das novas descobertas da Neurociência, olhe-se  para as emoções  como DADOS, não como obstáculos que precisam ser bloqueados ou transpostos. Quando o operador aprende a ler corretamente sobre o que ocorre com suas emoções, fica apto a tomar decisões capazes de conduzi-lo ao que realmente quer, não ao que não quer.

Mas quando quando pensamos em dados, automaticamente  números vêm à nossa cabeça. Claro, os números são mágicos, fazem com que nos sintamos bem. Parecemos mais eruditos e mais inteligentes. Temos a tendência de nos sentirmos mais satisfeitos quando temos um punhado de números que, aparentemente, provam alguma coisa. Porém, o fato é: transformar as emoções em dados não significa que você começará a quantificar o que sente para fazer um gráfico disso, óbvio que não.

A ideia central reside justamente na contraposição à ênfase absoluta dada à inquestionável superioridade do intelecto sobre as emoções e sentimentos.

Transformar uma emoção em dado significa usá-la para compreender como o cérebro processa o instante vivido. Quais vias são ativadas e quais deveriam ser desativadas. A emoção elucida sobre o padrão de pensamento subliminar, além de ser capaz de dar pistas mais do que valiosas sobre quem somos e como estamos processando o ambiente ao nosso redor.

Por: Danielle Gurgel